Deixei pra depois, que mentirinhas ando me contando?

Quem nunca deixou pra depois uma obrigação que tinha que fazer? Confesso que luto contra esse hábito de esticar os prazos, deixando de lado o que é mais complicado e procurando coisas mais prazerosas para fazer desde muito jovem, às vezes chegando ao limite de acabar me prejudicando com isso, num ciclo tenso e sem fim.

Você sabe que esse hábito tem nome, procrastinação e faz parte do dia a dia de muita gente. Alguns acham que procrastinar é apenas fruto da preguiça, da falta de vontade momentânea de realizar algo, mas não é bem assim. Pesquisadores defendem que a procrastinação é a lacuna entre a intenção e a ação, ou seja, por trás da procrastinação há um desejo de fazer algo, mas que é vencido pelo desejo de fazer outra coisa, diferente da preguiça, que nem gera um desejo. Saiba, então, que procrastinar é a ação de adiar algo ou prolongar uma situação com o intuito de obter bem-estar, esquivando de algo que sentimos como negativo.

Tendemos a procurar o bem-estar em coisas prazerosas, mas essa sensação é apenas imediata, conforme as demandas vão se acumulando, esse pequeno gesto de deixar pra depois, que parecia tão inofensivo, acaba fugindo do controle. E, com isso, várias emoções negativas vêm à tona, como frustração, culpa, incapacidade, insegurança e por isso, podemos dizer, sem medo, que procrastinação está diretamente ligada a nossa saúde mental. 

Saiba que o ato de procrastinar não é, por si só, de todo mal. Mesmo não sendo um hábito incentivado pelos especialistas, seu completo oposto, a pré-crastinação, ou seja, a produção que mais se assemelha à de uma máquina, com o desejo de iniciar uma tarefa imediatamente e terminá-la o mais rápido possível, também não é a única alternativa adequada ao mercado de trabalho e à vida. O equilíbrio pode ser a resposta, desfrutar de pausas ao longo do dia e dispor de momentos de lazer ou de relaxamento têm seu valor e são fundamentais para a manutenção do bem-estar físico e mental, e da qualidade de vida. 

Se a resposta é o equilíbrio, porque não conseguimos encontrá-lo?

Quando entendi melhor as causas da procrastinação foi mais fácil encontrar essa resposta.

O professor Piccini, em seu texto “Por que procrastinamos? E como resolver isto?” (1) nos conta como o professor Dr. Piers Steel, da Escola Haskayne of Business, no Canadá identificou, em um estudo de 10 anos sobre a procrastinação, alguns de seus principais motivos:

– Aversão à tarefa (Isso é tão chato de fazer!)

Isso mesmo, tarefas chatas são uma das principais causas da procrastinação, porque exige fazer algo sem vontade.

Impulsividade (Prefiro beber com a galera do que fazer esse trabalho!)

Pessoas impulsivas são aquelas que não aguentam esperar por muita coisa, querem a recompensa na hora.

Distração (Eu tinha que fazer uma pesquisa na internet, mas acabei parando no canal do Porta dos Fundos)

Hoje em dia vivemos em uma sociedade onde tudo quer nos chamar a atenção e com a Web isso se amplia.

Motivação (Eu até queria fazer, mas meu corpo não saiu do lugar)

Esse é o mais óbvio, se não estiver motivado não conseguirá completar nenhuma tarefa. A motivação é controversa. Pode gostar de algo e mesmo assim não estar motivado para fazer. Por isso é importante saber o que o motiva. (1)

Sabendo disso, aqui vão algumas dicas que experimentei para lidar com a procrastinação:

Primeiro é importante reconhecer que você está procrastinando, se não reconhecer, como sair dela? Afinal, sabemos que não é apenas falta de tempo, mas sim, a dificuldade em gerenciar as emoções.

Depois pare! Não faça nada! Muitas vezes o procrastinador troca uma atividade que tem que realizar por outra mais prazerosa, então não ligue a TV, não entre nas redes sociais, não ligue para os amigos e há uma possibilidade de acabar realizando sua tarefa. 

Que tal também quebrar a tarefa em pequenos afazeres, assim você diminui a pressão e a reação negativa sobre ela.

Outra atitude que você pode tomar é reduzir as distrações, por exemplo dificultar o acesso a ela, você vai perceber que essa pequena manobra pode ajudar na hora de continuar com sua tarefa.

E por fim, a vida é feita de escolhas e lidar com as recompensas a curto e a longo prazo é uma delas, dê-se uma oportunidade e experimente o resultado de sua escolha. Afinal, acabei descobrindo que nada é mais prazeroso do que dar aquele check final ✔ numa tarefa.